Indústrias Matarazzo: a maior empresa brasileira de todos os tempos- Ultima Parte

1 de julho de 2012

Analisando a queda do Império.

Escrito por Pedro Paulo Galindo Morales.

A historia do Grupo Matarazzo é riquíssima de exemplos de dedicação e empreendedorismo, mas também podemos analisar os erros de gestão cometidos principalmente por Chiquinho Matarazzo quando esteve a frente desse fabuloso império alguns números confirmam o que estamos escrevendo, o complexo empresarial podia ser comparado à solidez do Império Britânico chegou s empregar 6% da população paulistana nas suas 365 fabricas, hoje o patrimônio seria equivalente a 20 bilhões de dólares e nos anos 30, a renda bruta do conglomerado era a quarta maior do Brasil. Faturavam mais que Matarazzo apenas a União Federal, o Departamento Nacional do Café e o Estado de São Paulo diante dessas informações podemos ter a ideia da importância das S/A Industrias Reunidas Francisco Matarazzo.

Segundo o Administrador Geraldo Collaziol no seu artigo Os Erros dos Matarazzo onde acrescento algumas informações, os principais erros cometidos foram:

  1. A família Matarazzo não se manteve unida quando Ermelino Matarazzo que tinha o apoio de todos para comandar os negócios do Conde Francesco faleceu prematuramente. A eleição do sucessor pelo Conde recaiu sobre o 12º filho que era jovem e inexperiente, quando Francisco Matarazzo Junior, o Chiquinho assumiu os negócios começou um grande atrito em família que levou a uma dissolução societária alguns membros da família venderam suas partes na sociedade que eram comprados com recursos oriundos do capital das próprias empresas, comprometendo sua solidez e interrompeu as modernizações e ampliações, limitando seu crescimento e tornando as empresas obsoletas,
  2. O cenário industrial da época exigia agilidade e especialização e o conglomerado devido a sua falta de modernização ainda produzia uma infinidade de produtos, mas já não era líder de vendas de nenhum deles, pois já não tinham a mesma qualidade dos tempos áureos como resultado o Grupo foi perdendo espaço para a concorrência.
  3.  Devido a falta de analise das tendências do mercado, devido a sua verticalização ele não se especializou em nenhum setor o que não ocorreu com o Grupo Votorantim que hoje emprega 30.000 pessoas. Tem fábricas de cimento, de papel e celulose e metalúrgicas (alumínio, zinco e níquel), siderúrgicas, além de bancos, fábricas de suco Citrovita, fazendas de reflorestamento, entre outros negócios, em 2001 o Grupo iniciou um processo de internacionalização dos seus negócios de cimento, metais entre outros estando presentes diretamente em mais de 20 países, se formos analisar a Votorantim atua em setores muito parecidos em que a Matarazzo atuava, por exemplo, o Cimento Zebu até hoje produzido pela CIMPOR ou o Macarrão Petybom produzido pela J. Macedo alimentos ou o sabonete Francis uma fatia de 12,2% do mercado que é produzido pela Bertim em parceria com a Unisoap.. A comparação aqui colocada tem razão de ser, pois tanto o Grupo Matarazzo como o Grupo Votorantim tiveram suas raízes em Sorocaba, interior de São Paulo , na mesma época e no mesmo ramo comercio de alimentos e depois migrando para uma fabrica de tecidos. Outro episodio curioso em 1935 cursavam o 2º ano primário do Liceu Rio Branco, na mesma turma de Chiquinho Matarazzo o Antônio Ermírio de Moraes.
  4. Após a segunda guerra mundial, a economia nacional estimulava a industrialização de bens de capital e bens semiduráveis. O então presidente Juscelino Kubitschek convidou Chiquinho a participar de uma sociedade, para instalação de uma montadora de automóveis no Brasil, a Volkswagem. O Conde desdenhou, ou talvez, não tenha levantado informações suficientes para uma melhor avaliação da tendência da época, e não aceitou associar-se no projeto, enquanto isso a Votorantin ingressava, então, nos setores de mecânica e de máquinas, como a metalúrgica Atlas, montada em São Paulo, em 1944, que acabou produzindo equipamentos para acionar as outras indústrias.

Um conglomerado de tamanha magnitude, não foi a ruína em função de apenas quatro fatores. Houve outros erros e gastos exorbitantes na solução destes e outros confrontos familiares envolvendo as separações litigiosas que ocorrem em uma família composta de vários membros como é a Matarazzo

Segundo Domingos Ricca, existe um padrão histórico onde a empresa tem uma fase inicial de crescimento e expansão, sob a direção de seus criadores. Em seguida vem a segunda geração, que pode ser chamada de ”administradores do sucesso”. Nesta fase, a empresa continua indo bem, tendo lucro, pode até ser líder no mercado, mas deixou de inovar. A terceira gestão é a dos administradores da estagnação, onde surgem concorrentes mais competitivos e mais criativos onde gestores não conseguem fazer nada para mudar esta rota de declínio para ele o Grupo Matarazzo é um exemplo disso passou de líder nacional, a um pequeno grupo com interesses agrícolas e imobiliários.

Para Fábio Peixoto o caminho de diversificar e verticalizar produzindo a mais variada gama de produtos funcionou no começo do século XX, quando não havia indústrias no país. À medida que foi surgindo competição, em qualquer dos seus produtos o grupo passou a ter algumas ou algumas empresas mais competentes do que ele. Aqui entra o conceito americano da “core competence”: uma empresa deve se dedicar àquilo em que ela é especialmente boa o que não foi o caso da Matarazzo conta-se que antes da crise vendeu apenas uma empresa, e não foi por necessidade era uma fábrica de fósforos, que ele não conseguia integrar ao resto de suas fábricas. Aliás, dizem que ele ganhou um bom dinheiro com o negócio.

A sua historia é realmente fantástica nesta série de quatro artigos vimos como um espirito empreendedor é realmente de muita importância para a consolidação dos negócios, ao mesmo tempo em que quando se esta no mercado não se pode deixar de fazer a leitura desse mercado desprezando as oportunidades e subestimando as ameaças, podemos concluir que após a segunda guerra mundial, a economia nacional estimulava a industrialização de bens de capital e bens semiduráveis e o Conde Chiquinho e sua equipe não soube ler a tendência do mercado e não corrigiu sua rota de navegação e a exemplo do Titanic, que mesmo dispondo de algumas das mais avançadas tecnologias disponíveis da época e foi popularmente referenciado como “inafundável” em um folheto publicitário de 1910, da White Star Line, sobre o Titanic, alegava que ele fora “concebido para ser inafundável” naufragou em virtude de demora na comunicação com a Ponte em que preciosos segundos se perderam até que o comunicador foi atendido e mesmo corrigindo a rota se chocou com um Iceberg.  Foi o que ocorreu neste caso não cabia no entendimento da família Matarazzo que as IRFM eram inquebráveis, mesmo quando Maria Pia ao assumir o grupo põe em prática um plano que visa concentrar a empresa em ramos que na sua visão eram os principais ramos de atividade da Matarazzo, o papel, químico e álcool, não houve mais tempo, o desastre era inevitável.

Demolição da Fábrica de São Caetano

 

 Bibliografia utilizada para escrever a série:

Os Matarazzo http://recantodasletras.com.br/artigos/371181

“Sou nacionalista, mas não sou burro”  http://veja.abril.com.br/030698/p_136.html

O caso Matarazzo http://www.portaltudoemfamilia.com.br/cms/?p=106

No Brasil, 90% das empresas são familiares http://www.sebrae-sc.com.br/newart/mostrar_materia.asp?cd_noticia=10410

Os Erros dos Matarazzo http://faculdadedoerro.wordpress.com/2009/01/08/os-erros-dos-matarazzo/

Escombros do império http://epoca.globo.com/edic/19990628/matarazzo.htm

Everton Calício : pesquisador e biógrafo sobre as Indústrias Matarazzo e Família Matarazzo no Brasil Colunista do Metrô News- Memórias da terra da garoa. Contato calicio@gmail.com

Pesquisas e leituras feitas em revistas,  jornais e internet.

Anúncios

Indústrias Matarazzo: a maior empresa brasileira de todos os tempos- Parte III

1 de julho de 2012

A era de Maria Pia Matarazzo.

Escrito por : Pedro Paulo Galindo Morales.

Na década de 70 as empresas que já estavam em situação financeira delicada tem um novo comandante; a filha caçula Maria Pia Esmeralda Matarazzo, na época com 32 anos de idade, assume o ainda na época maior conglomerado empresarial nacional no país. Ao assumir o grupo põe em prática um plano que visa concentrar a empresa em ramos que na sua visão eram os principais ramos de atividade da Matarazzo, o papel, químico e alcool.

Faz uma reforma administrativa no grupo e inaugura uma fábrica de papel na fazenda Amália, destilaria de álcool, ácido cítrico e celulose de madeira, e começa a desativar antigas unidades que eram deficitárias, como o moinho de trigo do Brás. Em 1981, é vendido todo o setor têxtil da Matarazzo para a Cianê.

Maria Pia enquanto colocava em pratica sua reforma administrativa enfrentava uma disputa pelo controle da holding com seus irmãos ao mesmo tempo que na economia sofria as consequências de  duas maxidesvalorizações cambiais da economia, a de 1981 e a de 1983.

Em 19 de julho de 1983 o Grupo pede concordata para 27 empresas porem em dois anos a concordata foi suspensa após os valores das parcelas serem depositado judicialmente. Devido a grandes empréstimos contraídos e não saldados Maria Pia não pode prosseguir com seus planos de modernização, tem alguns prédios penhorados, tendo inclusive sido penhorado todo o conjunto industrial da S/A IRF Matarazzo, por este motivo não conclui um antigo projeto de abrir o capital das empresas na bolsa de valores.

Em 1986, as Indústrias Matarazzo de Óleos e Derivados se transferiam de Água Branca para Santa Rosa de Viterbo-SP  e em 1990 é desativado o complexo químico da Matarazzo em S. Caetano do Sul um dos ramos mais tradicionais do Grupo, em 1992 após ter ido à concordata mais uma vez, Maria Pia abre mão do controle das principais empresas do conglomerado como as Cerâmica Matarazzo, Matarazzo Papéis e Matarazzo Embalagens.

Em 1993 Matarazzo lança no mercado o primeiro sabonete light (suave) do Brasil, o Francis Light, com anúncios publicados em revistas com esse lançamento a empresa volta a experimentar um período de sucesso .  As Indústrias Matarazzo de Óleos e Derivados-IMODSA, localizada em Santa Rosa de Viterbo/SP, dentro da Fazenda Amália começam a fabricar vários produtos foram lançados os sabonetes Francis clássico, Francis light, Vilór e Savage e para marcar essa expansão lança Francis Premium, um sabonete hidratante, nas versões barra e em líquido, e também desodorantes.

Hoje a Matarazzo tem como administração direta sua fábrica de TNT (tecido-não-tecido) usado largamente na fabricação de toucas e aventais cirúrgicos e também para envolver o sabonete Francis. Tem também uma fábrica de embalagens especiais e arrenda usina de açúcar, fábrica de papel, papelão e embalagens, e detém ainda muitos terrenos onde ainda continuam de pé os antigos prédios.

Atualmente fabrica a linha  Vilór  que possui sabonetes com glicerina e muita perfumação em dois tipos: verde – floral refrescante e roxo – floral romântico. A linha ainda inclui desodorantes sem álcool – antitranspirante / roll on.  As Indústrias Matarazzo lançou 4 tipos de desodorante: laranja (pure), roxo (sensitive), preto (fresh) e cinza (sport). Atualmente, 4 mil toneladas de sabonetes saem das máquinas da Matarazzo que atualmente está operando com capacidade total,

José Eduardo Matarazzo Kalil filho de Maria Pia parece que vai recuperar parte dos tempos áureos do Grupo, administrando a Unisoap, criada para cuidar de toda a distribuição da linha Francis e que nada tem haver com as Indústrias Matarazzo a não ser por ter um contrato de terceirização com a indústria que há três décadas já fazia o Francis ele tem planos grandiosos para a Unisoap ser uma grande empresa no setor de higiene e limpeza e a maior fabricante de sabonetes do Brasil.

Sem duvida nenhuma as S/A Indústrias Reunidas F. Matarazzo-IRFM foram um marco único na história do desenvolvimento brasileiro.

            Noticiário de época e Fabrica Matarazzo abandonada


Indústrias Matarazzo: a maior empresa brasileira de todos os tempos-Parte II

1 de julho de 2012

Francisco Jr. Matarazzo

A era de Chiquinho Matarazzo.

Escrito por Pedro Paulo Galindo Morales

Foto de 1º de Agosto de 1947

Após o falecimento de Francesco Matarazzo assumiu o Grupo Matarazzo o seu filho Francisco Matarazzo Junior ou Conde Chiquinho como era conhecido, ele era o penúltimo dos seus treze filhos.

Francisco Matarazzo Junior começou uma nova era no Grupo trazendo a empresa para os ramos químicos, papeleiro e de álcool. Em 1939, inaugurou o Edifício Conde Francisco Matarazzo,  em homenagem a seu pai , foi a sede da empresa durante 40 anos o prédio ter sido vendido ao Grupo Audi.

Nesta época o grupo teve um desenvolvimento surpreendente inauguraram-se fábricas de seda, de celulose, celofane (a primeira na América do Sul) , fábricas de cimento (cimento Zebu), fábrica de cal, fábrica de conservas, fábricas alimentícias (pasta de amendoim e polpa de frutas e a tradicional marca Petybon  linha de massas e biscoitos ), lança a primeira margarina vegetal do país (Margarina Matarazzo) , lanifício, fábrica de caixas de papelão ondulado feito a partir do bagaço da cana (atividade pioneira no país), fábrica de raiom e inseticidas .

Em 1943, foi inaugurada a Maternidade Condessa Filomena Matarazzo (nome em homenagem à esposa de Francesco) e nela foi aberta uma enfermaria de ginecologia a Maternidade Condessa foi considerada a melhor da América do Sul. Na década de 50, chegou a ter 500 leitos, dez a mais que na sua inauguração, e nos anos 70 passou a ser referência na formação de profissionais,

O Grupo na década de 50  também abriu fabricas de sulfureto de carbono, fábricas de resinas e complexos polivinílicos, óleo de mamona, óleos vegetais, embalagens flexíveis, rações, tripas artificiais para a indústria alimentícia (pioneira e única fabricante nacional) e fábrica de conservas. O Conde Chiquinho também investia no ramo de agronegócios tendo uma plantação de dendê na Bahia para produção de óleo e varias fazendas, consultado pelo amigo e presidente Juscelino Kubitschek se aceitava associar-se à Volkswagen na instalação da primeira montadora no país, declinou, pois os recursos eram escassos e os Matarazzo teriam trocar negócios que conheciam por outros que eram totalmente novos.

A partir da década de 60 o desempenho do Grupo Matarazzo começa a ser afetado, porém novas fábricas são abertas: fábrica de perlon e fibras sintéticas, laminados plásticos e fábrica de café solúvel, a família repassa o Edifício Universidade Comercial Conde Francisco Matarazzo, inaugurado em 1954, para o governo estadual em troca de incentivos fiscais. Em 1969 sentindo a pressão das multinacionais que vinham com know how avançado e publicidade, atributo pouco utilizado na IRFM, fecha pela primeira vez na história seu balanço com saldo negativo.

Preocupado os novos tempos o Conde Chiquinho contrata a Deloiite, famosa consultoria administrativo-financeira para fazer a reestruturação societária do Grupo Matarazzo, reestruturação que não trouxe muitos resultados positivos.

No ramo do comércio o Grupo marcou presença em São Paulo com os Supermercados Superbom era uma rede com várias lojas pela cidade, chegou inclusive a entrar no ramo de hipermercados com o Supercenter  Superbom , a rede foi vendida posteriormente ao Pão de Açúcar que aos poucos foi desativando a bandeira , na década de 70 inaugura o Shopping Center Matarazzo, na Água Branca (SP). Em 1972, após uma viagem da Holanda, o Conde Chiquinho traz consigo o perfume que marcaria décadas, o famoso FRANCIS  marca de sabonete até hoje presente no mercado.

Após 40 anos de atividade a frente do Grupo Matarazzo, o Conde Chiquinho morreu, deixou o controle para a filha Maria Pia, desprezando os filhos homens que trabalhavam com ele há muitos anos, seu enterro levou cerca de 10.000 pessoas, que acompanharam o féretro da Mansão Matarazzo da Paulista até o Mausoléu da família no cemitério da Consolação.

Mansão Matarazzo  e antiga Fabrica   Matarazzo


Indústrias Matarazzo: a maior empresa brasileira de todos os tempos- Parte I

1 de julho de 2012

Francisco Matarazzo

A era de Francesco Matarazzo.

Escrito por Pedro Paulo Galindo Morales

Era o ano de 1881 e desembarcava no Brasil vindo da Itália Francesco Matarazzo, um imigrante como tantos outros que vieram de seu país de origem, trazia na sua bagagem uma tonelada de banha de porco comercializar no Brasil, mas infelizmente  afundou com a embarcação que levava a carga do navio, pouco antes de chegar no Porto do Rio de Janeiro.

Sozinho e com pouco dinheiro no bolso Francesco decide procurar seu amigo Fernando Gradino que vivia em Sorocaba interior de São Paulo para lhe dar uma ajuda e modestamente começou a revender linguiça nas ruas da cidade que por coincidência também abrigou o menino Antônio Pereira Ignácio que foi um dos fundadores do Grupo Votorantim.

Francesco trabalhou muito e com poucos meses abriu uma mercearia que vendia de tudo e se a clientela pedia alguma coisa ele anotava e tratava de arrumar um jeito de ter a mercadoria, concidentemente o produto que fazia mais sucesso em sua mercearia era a banha de porco que importava de outras regiões.

Francesco era um homem visionário e inquieto e vendo o sucesso que fazia a banha de porco decidiu fabricar o produto através de um método muito simples um caldeirão no fundo do quintal para derreter a banha dizia aos seus amigos que “O segredo está na compra e não na venda”,     barateou a produção quando decidiu comprar quase todos os porcos da região, mais tarde passou também a enlatar o produto o que permitiu que as vendas crescessem mais ainda.

Em 1890 decidi expandir mais ainda seus negócios e partiu para a Capital de São Paulo Francesco já tinha trazido da Itália seus irmãos e sua esposa,

Moinho Matarazzo, em 1900
Moinho Matarazzo, em 1900

quando a farinha de trigo faltou no Brasil ele conseguiu um empréstimo para construir um moinho de trigo em São Paulo, o Moinho Matarazzo,

Em 1920 inaugurava o complexo industrial da Agua Branca em São Paulo onde instalou em uma área de 100 mil metros quadrados, empresas como serraria, refinaria, destilaria, frigorífico, fábrica de carroças, de sabões, perfumes, adubos e inseticidas, velas, pregos, vilas operárias, armazéns, banco, distribuidora pioneira de filmes, fábrica de licores, que funcionavam com a energia de uma usina própria. O logotipo das Indústrias ReunidasFábricas Matarazzo, criadas em 1911, trazia o lema “Fé-Honra-Trabalho” escrito em latim.

Logotipo
Fé-Honra-Trabalho

O empresário tinha ainda  uma esquadra particular de navios, um terminal exclusivo no porto de Santos e duas locomotivas para transportar mercadorias no pátio da sede do complexo industrial, em São Paulo suas empresas tinham um faturamento equivalente na época à arrecadação de São Paulo, o Estado mais rico da País , hoje nenhum dos conglomerados nacionais conseguiria igualar Matarazzo na década de 30, o jornalista Assis Chateaubriand definiu o império do conde como o “Estado Matarazzo”, o empresário chegou a ter no seu império 365 fabricas na época diziam que era uma para cada dia do ano.

Paralelo ao desenvolvimento de suas empresas, o Francesco Matarazzo também era um homem que pensava nas pessoas tanto que foi durante vários anos se engajou na construção e manutenção do Hospital Matarazzo que foi até 1993 um hospital de referencia para a colônia italiana. Matarazzo também construiu a Casa de Saúde Ermelino Matarazzo em 1925 junto com estas doações de equipamentos e material dizia a seguinte frase “Para que o preço da saúde dos ricos reverta em benefício da saúde dos pobres”. Mais tarde esses hospitais se transformariam em Sociedade Beneficente Hospital Umberto Primo, que era de controle da família e se mantinha com as doações do Grupo Matarazzo e convênios Governo do Estado de São Paulo e o convênio com o Inamps (Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social) e posteriormente o SUS.

Francesco Matarazzo recebeu o titulo de Conde do Rei da Itália por ter ajudado a distribuir alimentos no país durante a primeira guerra, uma homenagem justa e merecida.

Como gestor Matarazzo foi um empresário os de seu tempo, empregava parentes e pessoas vindas da Itália, para ele nada avançava longe dos olhos do dono , era sempre o primeiro s chegar e o ultimo a sair. O conde costumava ouvir as opiniões de seus Diretores e Gerentes, mas a ultima palavra era sempre dele. Tinha o costume de visitar as fabricas, era avesso a telefone e memorandos internos, pois ele dizia que tinha uma memoria boa e fazia contas de cabeça.

Uma de suas maiores características, não só dele, mas de empresários da época era que ele tinha que fazer tudo movido pela intuição sem ajuda de consultores talvez uma de suas maiores qualidades foi a coragem de apostar no futuro ou seja na visão da empresa.

Pouco antes de morrer , em 1934, de acordo com o biógrafo Costa Couto, ele resumiu assim os segredos de seu sucesso: “Alguma inteligência, certa capacidade gerencial, muito trabalho e sorte”, o Conde Matarazzo conforme a revista Forbes chegou a ser a quinta maior fortuna do mundo e o italiano mais rico fora da Itália com um patrimônio estimado em 20 bilhões de dólares a valores de hoje.

Matarazzo mesmo aos 82 anos enxergando mal e apoiando-se em uma bengala ainda visitava as fábricas tanto é que após uma dessas visitas sentiu-se mal e depois de ficar dois dias de cama faleceu em 10 de Fevereiro de 1937.

Henry Ford

Henry Ford

Seus contemporâneos foram John Rockefeller (1839-1937) da Standard Oil, John Pierpont Morgan (1837-1913) banqueiro e Henry Ford (1863-1947) que desenvolveu a  linha de montagem contínua, em 1913. Matarazzo chegou a ser a quinta maior fortuna do mundo e o italiano mais rico fora da Itália seus 20 bilhões de dólares em valores de hoje seriam suficientes para garantir a sexta posição na relação de milionários da revista Forbes

Alguns historiadores costumam comparar o peso de Matarazzo na República ao de Irineu Evangelista de Souza, o barão de Mauá, no tempo do Império, enquanto Mauá tinha relações com o governo, os negócios de Matarazzo eram centrados na produção de bens rotineiros para os consumidores.


Eletroradiobraz: Uma historia de sucesso

1 de julho de 2012

Escrito por: Pedro Paulo Galindo Morales

A Eletroradiobraz nasceu nos anos 40, no Bairro do Brás, na Av. Rangel Pestana, próximo da estação ferroviária e da Confeitaria Colombo no Largo da Concordia na cidade de São Paulo.

Inicialmente ela surgiu como um ponto de consertos de rádios e outros pequenos eletrodomésticos, como ferro de passar, liquidificadores entre outros. O inicio do negócio foi dado pelo Sr. Ayme Taub e sua esposa Anita Taub os quais tinham um casal de filhos , Carlos Taub e Sarah Taub.

Com o passar do tempo o filho Carlos Taub procurou diversificar o negócio de seu pai dando inicio a venda de eletrodomésticos e em seguida confecções especialmente ternos e acessórios. A partir desta iniciativa começou haver um crescimento comercial e estrutural.

A loja de consertos deu lugar no mesmo endereço a um prédio de sete andares que passou a abrigar uma moderna loja tipo magazine (alguns a conheciam como loja vitrine) com vários departamentos interligados internamente por passarelas que facilitavam e criavam clima para desfile de modas e outros eventos.

Detalhe da primeira loja da Eletroradiobraz: observe as passarelas - Fonte Google imagens

No inicio dos anos 70, transfere a sua estrutura administrativa para o Largo Santa Cecilia um prédio anteriormente ocupado pelas Lojas Clipper, loja tradicional em São Paulo nos moldes dos atuais magazines.

A Eletroradiobraz S/A abriu seu capital no inicio dos anos 70 através do União de Bancos Brasileiros S.A. antigo Banco Moreira Sales S/A com as ações negociadas pela Bolsa de Valores de São Paulo, ate então o seu controle acionário era dividido entre Carlos Taub (75%) e Manoel Teperman (25%).

Um pouco antes dos anos 70 o ramo de supermercado já era uma realidade e crescia a necessidade de se atender a crescente demanda populacional pelo sistema de auto serviço e aos poucos a Eletroradiobraz também expandiu suas atividades para esse segmento chegando a ter oito lojas.

Em 1971 a Eletroradiobraz inaugurou o seu primeiro hipermercado com a denominação de “Baleia” no Bairro da Agua Branca em São Paulo, prédio anteriormente ocupado pela Eucatex, a definição de Hiper para aquela época era que se dizia que em um único ponto de venda se podia encontrar do alfinete ao avião. A empresa tanto para os supermercados e hipermercados contratava assessoria de executivos americanos aposentados com vasta experiência nesse segmento como, por exemplo, nos Estados Unidos entre outros países. O nome “Baleia” foi escolhido porque já existia o Jumbo ( antecessor do Extra) o primeiro hipermercado do Brasil que foi inaugurado em Santo André município de São Paulo também em 1971  pertencente ao Grupo Pão de Açúcar.

Nos anos 70 a Eletroradiobraz troca seu logotipo antigo por um mais moderno - Fonte Google imagens

A empresa sempre se destacou como uma grande patrocinadora de eventos, nos anos 50 e 60 a empresa patrocinou o programa “Circo do Arrelia” apresentado pelo palhaço Arrelia criador do refrão “Como vai, como vai, como vai ? ” na TV Record canal 7 de São Paulo por vários anos, o programa era um sucesso  e era assistido por crianças e adultos. Em 1973 surge o Programa Fantástico da Rede Globo e o primeiro patrocinador foi a Eletroradiobraz durante um bom tempo. Além dessas ações também patrocinava uma equipe de corridas da Divisão 3 de muito destaque na época , fazia anúncio de paginas inteira nos jornais e tinha como slogam a frase “A melhor oferta quem faz é a Eletroradiobraz”

Até meados de 1967 a estrutura administrativa da Eletroradiobraz era familiar. Com o crescimento dos negócios a empresa foi sendo profissionalizada com a contratação de executivos específicos para cada área da empresa porem sempre mantendo em sua estrutura funcionários que colaboraram para o crescimento empresarial da organização.

A Eletroradiobraz contava na época também com um grande depósito na via Anhanguera de onde que podia ser visto da rodovia de onde saiam seus Caminhões Chevrolet amarelo e azul para entregar as mercadorias vendidas nas lojas, à empresa matinha também para seus funcionários uma colônia de férias na Praia Grande, São Paulo.

Além do segmento de eletrodomésticos, moveis presentes, moda e confecção, supermercados e hipermercados o Grupo Eletroradiobraz também marcava presença no ramo de veículos com a Eletroradiobraz Veículos S/A concessionaria Chevrolet, Electra S/A Crédito, Financiamento e investimento , Ebrace Construções S/A, Elagro S/A Agropecuária e Equipe Distribuidora de Títulos e Valores S/A.

Na capa de 1976 a Revista Exame da destaque a Venda da Eletroradiobras para o Pão de Açúcar – fonte Google imagens

Em 1976, a Eletroradiobraz, enfrentava problemas de layout, na forma de operar, na política de preços, na linha de mercadorias e na concessão de crédito ficando a impressão que o Grupo foi vendido mais por questões administrativas do que por crise financeira como alguns chegam a afirmar, sendo assim o Grupo é adquirido pelo Grupo Pão de Açúcar, em 6 de Junho de 1976 com a ajuda do BNDE (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico) que veio a tranquilizar o mercado na época.

A estrutura da Eletroradiobraz aproximava-se a do Pão de Açúcar, porem com uma visão administrativa que não se aproximava da politica profissionalizante do Grupo Pão de Açúcar, ou seja, não possuía todos os objetivos e dinamica do Grupo que procurava agregar todos seus principais executivos em uma só “Caravela” como costumava dizer a seus executivos o Comendador Valentim dos Santos Diniz fundador do Pão de Açúcar, quando dizia que todos deveriam ir  rumo aos objetivos traçados.

Na época da aquisição a Eletroradiobraz era uma das maiores empresas do ramo varejista distribuídas em São Paulo, com oito lojas de supermercados, 26 hipermercados e 16 magazines, na capital e interior no total de 50 lojas.

Os supermercados da Eletroradiobraz passaram a serem conhecidos como Pão de Açúcar, os hipermercados como Jumbo Eletro – Jumbo era o nome dos hipermercados do Pão de Açúcar – e os magazines, simplesmente Eletro. Na época foi lançada uma campanha publicitária do casamento da Baleia, símbolo da Eletroradiobraz, e do Elefante, símbolo do Jumbo.

O Grupo praticamente dobrou seu número de lojas, e seu faturamento já que a Eletroradiobraz tinha um faturamento maior que o do Pão de Açúcar. A divisão de veículos foi transformada na Pão de Açúcar Veículos Ltda. e as demais empresa incorporadas ao Grupo .

A marca Eletro (como era chamada também pelos seus funcionários antes da compra pelo Pão de Açúcar) sempre esteve presente em São Paulo, de 16 magazines existentes na época da venda para o Grupo Pão de Açúcar a rede se transformou em uma cadeia de 45 lojas em 2010. Em 2002 a rede muda novamente de nome e agrega a força do nome Extra, passa a operar sob a bandeira Extra Eletro com lojas especializadas em produtos eletrônicos e eletrodomésticos, as lojas também comercializam móveis e itens de bazar.

Como podemos perceber a força do nome Eletro permanece durante muitos anos, porem em Agosto de 2010 o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) autorizou o Grupo Pão de Açúcar a alterar a bandeira das 45 lojas Extra Eletro para as marcas Ponto Frio ou Casas Bahia terminando assim uma historia de uma marca de quase 60 anos de sucesso.

Dois momentos das lojas da rede Eletro e Extra Eletro – fonte Google imagens


Romcy: A maior rede de lojas de departamento que o Ceará já teve

1 de julho de 2012

Por: Pedro Paulo Galindo Morales

As lojas de varejo Romcy S/A foram uma rede de lojas localizada em Fortaleza/CE com 12 lojas entre hipermercados e supermercados, 11 estavam localizadas em Fortaleza 1 em Maracanaú e uma central de compras em São Paulo, nessas lojas existiam ainda os Romcy-Car que eram especializados em acessórios e serviços  para veículos  alem de cinco lanchonetes em suas unidades que faziam muito sucesso e era ponto de encontro de muitas pessoas. O Grupo Romcy era formado ainda pela Romcy Informática LTDA e a Granjas Romcy S/A.

As atividades comercias dos  Romcy começaram em 1948 com a firma Jacob Elias & Filho onde vendiam miudezas que depois passou a ter varias filiais com nomes fantasias diferentes como, as lojas A Capital, Magazine Sucesso, Casa Venus,  Romcy Perfumaria, Romcy Magazine, e por fim a Super Loja Romcy.

Em 1962 com a morte de Jacob as lojas foram unificadas sobre a razão social de Romcy Comercio e Industria S/A e estavam sob a responsabilidade de seus filhos José e Antonio Roncy que partiram para unificar as atividades do grupo .

Em 1974 o Grupo Romcy comprou do comerciante Plácido de Carvalho um imóvel construído em forma de um castelo, que se localizava onde hoje fica a Praça Luiza Távora na Avenida Santos Dumont para a construção de um hipermercado após alguns anos seu terreno foi dado em pagamento de divida de ICM ao Governo do Estado, muitas pessoas atribuem a falência da empresa a demolição deste castelo, uma espécie de maldição.

Com a inauguração em 1975 do Romcy Aldeota uma loja com área de 14 mil m2 onde a empresa passa a investir também em supermercado, quase a mesma época em que passa a ser a 1ª loja de departamentos do Norte e Nordeste a funcionar com computador.

Na década de oitenta o Canguru (que segundo se comenta foi também usado pelo Varejão Supermercados da Família Patriolinio Ribeiro), símbolo das lojas Romcy, disputava a o mercado com as Americanas, Lojas Brasileiras e Mesbla de igual para igual.

O Romcy mantinha um cartão de crédito próprio e no fim do mês, com a inflação galopante, comprar no Romcy era praticamente impossível, pois esta loja operava também no ramo de supermercados e vendia tudo no cartão na época se dizia que quem não tinha um crediário no Romcy não tinha crédito na praça.

Em 1990 quando o Roncy pediu concordata ele mantinha 1.702 funcionários e proporcionava quase 3.000 empregos indiretos e na época era também  um dos maiores arrecadadores de impostos e um dos grandes empregadores do Estado do Ceará

A maior rede de lojas de departamento que o Ceará teve escolhia bem a sua localização tanto que todos os seus endereços estão devidamente ocupados  quase 20 anos depois. O Romcy Planalto virou Bompreço Papicu, o Romcy Aldeota (Antonio Sales) virou Hipermercantil e hoje é ocupado pelo Carrefour, o Romcy Montese é o Hipermercado Extra, o Romcy Monte Castelo abriga a matriz do Expresso Guanabara no Ceará, que a propósito, nunca teve o que reclamar da infra-estrutura das instalações (inclusive dotada de uma moderna estação de tratamento de esgoto), no Centro de Fortaleza, suas lojas estão todas ocupadas, as duas na Rua Barão do Rio Branco e a do Parque das Crianças onde hoje funciona no prédio que faz fundo também com a Praça Murilo Borges( praça do BNB) um Super Lagoa e uma Rabelo , o Romcy Benfica, cuja obra não foi concluída pela empresa, hoje é o bem sucedido Shopping Benfica. Tantos acertos não foram por acaso houve estudos muito bem feitos.

Na propaganda a empresa também inovou trazendo as propagandas com o Assis Santos quando anunciava as ofertas para o dia seguinte com o slogan “barato do dia Romcy” no intervalo do Jornal Nacional da Globo ou os anúncios de paginas inteiras nos jornais , ou com a promoção famosa, inédita e audaciosa “Romcy dá dinheiro vivo”, nos anos 70. Antonio Romcy analisou a conjuntura econômica do país e usou a inteligência para criar a campanha. O raciocínio de Antonio Romcy foi rápido e perspicaz: se era de se pagar 10% às financeiras, por que não estimular a compra a partir de seis prestações e dar esse percentual diretamente ao consumidor? Foi um sucesso.

Em Dezembro de 1990 o Romcy pede concordada preventiva motivada pelos problemas causados pelo Plano Collor como a inadimplência de seus clientes o que causou um desequilíbrio financeiro porem seu patrimônio era suficiente para cobrir suas dividas  e inicia a reestruturação de seus negócios com fechamento de algumas lojas, também foi noticiadas a venda da empresa para o Grupo Sendas do Rio de Janeiro e Lojas Tamakavy do Grupo Silvio Santos.

Em 1992 já consegue levantar a concordada e planeja a volta ao ramo de supermercados com a reinauguração da loja do Parque das Crianças o que não foi possível, porem o filho de Antonio Romcy inaugura o Supermercado Básico na Rua José Lourenço e no prédio do antigo Roncy do Parque do das crianças ocupando metade da área que o Romcy ocupava o novo empreendimento por questões de mercado não deu certo.

Por volta de 1993 à empresa com apenas uma loja em funcionamento tem a falência decretada deixando muita saudade, o seu patrimônio imobiliário foi usado para saldar dividas bancarias, trabalhistas e com fornecedores para ser ter uma idéia apenas a loja do Bairro Montese onde também funcionava a matriz do Grupo estava avaliada em US$ 10 milhões de dólares.

Sem duvida o as lojas Romcy deixaram um vazio no mercado cearense por sua importância que teve na vida social e econômica do estado.

Fonte: Jornal O Povo edição de 11/12/1990, pesquisa feita pela Internet e jornais da época.

Leia também: Lojas Paraíso a tentação não era só o preço

Leia também: As grandes lojas que não existem mais no comércio em Fortaleza


Lojas Paraíso: A tentação não era só o preço…

1 de julho de 2012

Por Pedro Paulo Galindo Morales

As Lojas Paraíso LTDA foi uma rede de lojas de móveis e eletrodomésticos de muito sucesso em Fortaleza/CE tendo como proprietário o Sr. Paulo Fernandes que começou sua vida profissional com representante comercial.

A rede surgiu na primeira metade da década de 80 e sua primeira loja instalou se na Rua Sólon Pinheiro com Duque de Caxias no centro da cidade de Fortaleza.

Inicialmente eram vendidos apenas colchões e logo depois foram introduzidos os moveis e eletrodomésticos, a loja era pequena, mas muito bem localizada e arrumada, o Sr. Paulo ficava sempre a postos em sua mesa para atender os clientes e tinha no crediário seu principal atrativo.

A segunda loja foi montada no centro de Fortaleza em uma das esquinas mais movimentadas em um período que grandes lojas como Roncy e Jumbo Eletro (Antecessor do Hipermercado Extra) estavam deixando o mercado. Paulo Fernandes aproveitou essa oportunidade e começou a montar lojas em pontos antes ocupados por outras lojas de eletrodomésticos.

A empresa de Paulo Fernandes investia muito em marketing, eram paginas inteiras nos jornais anunciando as ofertas de eletroeletrônicos e moveis muitos deles eram coloridos um luxo para a época, seu slogan era “Onde a tentação é o preço” e seu logotipo uma maçã, em 97 a Paraíso chegou  aplicar R$ 3,5 milhões em marketing .

Em 1998 a Paraíso possuía 55 pontos de venda no Nordeste, localizados nos estados do Ceará, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte, empregando em torno de mil funcionários alem de um amplo centro administrativo e depósito em Parangaba e uma frota de cerca de 40 caminhões para entrega e chegou a comprar o antigo Cine Diogo em Fortaleza onde funciona hoje um Shopping Center do mesmo nome e  um prédio com oito andares com varias salas comerciais alugadas, talvez esta compra tenha colaborado para a diminuição do capital de giro da empresa.

Em Fevereiro 1998 as Lojas Paraiso entram com um pedido de concordata preventiva na vara de falências e concordata do fórum de Fortaleza, alegando no pedido que a medida é resultado do baixo fluxo de vendas no varejo, que sofreu uma redução de 60% em janeiro de 98 em relação a 97, das altas taxas de juros cobradas pelos fornecedores, além do elevado índice de inadimplência, em torno de 10%. Na época, o passivo acumulado era de mais de R$ 67 milhões menos de um ano depois, o passivo havia sido reduzido para pouco mais de R$ 29 milhões a Paraíso contava apenas com 18 lojas, em três Estados (Pernambuco, Rio Grande do Norte e Ceará) e emprega 400 pessoas.

A falência das Lojas Paraíso, decretada no dia 30 de novembro de 1999 quando vários clientes ficaram sem ter como pagar seus crediários. O síndico da massa falida, Máximo Fortino na época informou que o grande problema da Paraíso na época foi a alta taxa de inadimplência. “A massa falida deve, hoje, menos de R$ 30 milhões. No entanto, tem mais de R$ 42 milhões a receber em pagamentos atrasados, isso sem contar com os imóveis e materiais em estoque pertencente à rede Paraíso”, disse.

Ninguém pode negar que a Paraíso fez história e deixou muitas saudades no comércio de Fortaleza e do Nordeste, pelo estilo de gestão empregado pelo seu controlador Paulo Fernandes, que era facilmente visto no centro de Fortaleza visitando suas lojas e cuidando de detalhes, e pela sua agressiva política de marketing.

Infelizmente o índice de inadimplência e o impasse com fornecedores, como a Gradiende, que atrapalhou a repactuação de prazos de pagamentos com os fornecedores, estão entre os motivos que a levaram a falência.

Leia também:Romcy: A maior rede de lojas de departamento que o Ceará já teve

Fonte:

www.dpnet.com.br/anteriores/…/econo6_0.html

http://www2.uol.com.br/JC/_1999/1512/ec1512n.htm

http://www2.uol.com.br/JC/_1999/0312/ec0312j.htm